segunda-feira, 21 de março de 2011

Viva o centro a pé

Caminhadas orientadas por professores universitários, estudiosos em história, arquitetura e artes que narram a história de edificações e espaços públicos do Centro da cidade. Já contabiliza mais de mil participantes.

Inscrições
Inscrições pelo fone (51) 3289-3738 ou pelo e-mail
vivaocentroape@gmail.com. Cada participante deve levar 1Kg de alimento não perecível. As doações serão encaminhadas a instituições do município.


19 de fevereiro de 2011

Orientador: Peterson Rangel Pacheco Brum Roterio: Cidade Baixa - O trajeto prosseguirá pela Praça dos Açorianos, Monumento Mãe Bebê, Instituto Pão dos Pobres, Travessa dos Venezianos, curiosa ruela de casas populares e arquitetura açoriana remanescente, e Museu Joaquim José Felizardo.

Local de Saída: Caminho dos Antiquários.
Monumento Mãe Bebê

O Monumento Mamãe Bebê é uma obra pública localizada na Avenida Borges de Medeiros, n. 1555, esquina com a Rua Antônio Klinger Filho, no Bairro Praia de Belas, próximo à entrada do Centro Administrativo Fernando Ferrari.
O Monumento Mamãe Bebê celebra o vínculo entre mãe e filho. A autoria da obra pertence à artista plástica Arminda Lopes e o tratamento paisagístico do local é de Kiko Simch.

O monumento de bronze de 5 metros de altura possui uma massa de 1,5 toneladas. A inauguração da obra ocorreu em 26 de novembro de 2005, durante a III Semana Estadual do Bebê, promovida pela Secretaria Estadual da Saúde.

Site Escultura Gaúcha, disponível em: http://www.esculturagaucha.com.br/armindalopesacervo.htm>. Acesso em: 25 fev. 2011.
Centro Administrativo Fernando Ferrari

A ideia de centralizar órgãos de administração num só complexo arquitetônico já estava sendo estudada desde 1956, com a construção de prédios ao redor da Praça da Matriz.

Em 1962, o prefeito de Porto Alegre, Loureiro da Silva, sancionou a lei que fixava o Centro Administrativo nas proximidades da Avenida Borges de Medeiros e Escola Técnica Parobé. Ao longo destes anos, muitos planos foram traçados, mas somente no dia 12 de julho de 1971, através do Decreto nº 21.190, foi aprovado, pelo então governador Euclides Triches, o projeto para a criação do Centro Administrativo do Estado do Rio Grande do Sul (CAERGS).

Quanto aos objetivos, é importante salientar que o Centro Administrativo propiciou a concentração da maior parte das Secretarias de Estado em um mesmo prédio, facilitando os contatos mais rápidos entre os funcionários das secretarias e entre os próprios secretários.

A ocupação do prédio estava prevista para 1986, porém a inauguração foi possível, somente, em 10 de março de 1987.

Razões do nome Fernando Ferrari

Nascido em 14 de julho de 1921, em São Pedro do Sul, RS, neto de imigrantes, professor, contador, economista, sociólogo e advogado, Fernando Ferrari foi um dos mais ilustres e dedicados parlamentares que a história tem registro. Sua biografia identifica uma ascensão política vertiginosa, fruto da sua grande nobreza pessoal e enorme capacidade de trabalho.

Em 1946, aos 24 anos, Ferrari foi eleito deputado estadual, destacando-se como o mais entusiasta defensor da Nova Ordem Econômica e Social do Rio Grande do Sul. Seu mandato estadual encerrou em 1950, com sua eleição ao Legislativo federal cumprindo três mandatos sucessivos. No ano de 1958 obteve a maior votação em todo o território nacional.

Reconhecido como o parlamentar mais diligente e dedicado às questões sociais do trabalhador rural, em 1958, um numeroso grupo de estudantes e trabalhadores lançou-o como candidato a vice-presidência da República.

Faleceu em 25 de maio de 1963, aos 42 anos, em um trágico acidente aéreo e a data de sua morte, é hoje dedicada ao trabalhador rural em homenagem ao seu mais ilustre protetor.Com isso, o Centro Administrativo do Estado, antigamente conhecido como CAERGS passou a ser chamado de Centro Administrativo Fernando Ferrari (CAFF), através da Lei nº 8.858 de 12 de julho de 1989. A iniciativa para esta homenagem foi proposta pela Fundação Fernando Ferrari, em lembrança ao movimento "Mãos Limpas" - uma forte oposição ao exagero burocrático e a toda e qualquer espécie de corrupção na Administração Pública.

Fonte:http://www.sarh.rs.gov.br/portal/index.php?acao=servico&cod=11 (Acesso em: 21 mar 2011)

Praça dos Açorianos e monumento aos Açorianos

É constituída por parte do aterro do Lago Guaíba. A ponte de pedra, parte integrante do conjunto, foi construída por escravos, a mando do Conde Caxias, entre 1842 e 1848, durante o período de pacificação da província riograndense. Um século mais tarde, com a canalização do riacho (atual Arroio Dilúvio), a obra perdeu sua funcionalidade - ligar o centro à zona sul-, mas foi preservada sobre um espelho de água, sendo tombada em 1979.

O Monumento aos Açorianos, construído em 1973, homenageia a chegada dos 60 casais de açorianos a Porto Alegre (antigo Porto dos Casais), em 1752. A obra possui 17m de altura por 24m de comprimento. Feito em aço, em linhas futuristas, obra do escultor Carlos Tenius, lembra uma caravela, composta de corpos humanos entrelaçados, tendo à frente uma figura alada que lembra o mitológico Ícaro e representa a Vitória.

Fonte: http://wikimapia.org/104499/pt/Pra%C3%A7a-dos-A%C3%A7orianos-e-monumento-aos-A%C3%A7orianos Acesso em: 21 mar 2011

Aguardem próximas edições.

Fotos: Cíntia Duarte